Cultura LGBT+ em Manaus é tema de roda de conversa no Palácio Rio Negro, nesta terça-feira

Publicado em: segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Encontro busca amadurecer proposta para construção de indicadores que possibilitem auxiliar políticas públicas para Cultura, Educação, Comunicação e Direitos Humanos


Encontro busca aglutinar pessoas em torno da elaboração de diagnóstico da Cultura LGBT+ em Manaus. Foto: Coletivo Difusão/Divulgação

O Centro Cultural Palácio Rio Negro recebe nesta terça-feira (5/12), das 19h às 21h, a roda de conversa “Diálogos Culturais – Diagnóstico da Cultura LGBT+ em Manaus”. No encontro, o produtor cultural e artista visual Paulo Trindade fará a mediação com o público participante. A iniciativa conta com o apoio do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), dentro da agenda do Programa Espaço Aberto.

A iniciativa partiu do Coletivo Difusão e do Centro Popular do Audiovisual, frente à ausência de dados e de informações para se consolidar uma proposta de mapeamento, sistematização de processos, ferramentas e territórios que apontem indicadores relevantes para comunidade LGBT, de forma a cada vez mais alcançar Políticas Públicas e valorização das atividades artísticas produzidas por essa comunidade na capital amazonense.

Para Paulo Trindade, a roda de conversa ajudará a construir uma transformação sociocultural. “A Cultura possui dimensões nos campos Econômico, Social e Cidadão. É muito importante destacar que o Diagnóstico da Cultura LGBT em Manaus fortalecerá o direito à Cultura previsto em diversos marcos no âmbito de ações e diretrizes distintas na busca de uma política de cultura de paz e construção de valores que visam a promoção da diversidade humana”, assinala.

Para delimitar o tema, o encontro vai revisitar o Plano Municipal de Cultura de Manaus, a Relatoria Final do Comitê Técnico de Cultura LGBT do Ministério da Cultura e o relatório da 3ª Conferência Nacional de Políticas Públicas de Direitos Humanos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais.

“O Amazonas é o terceiro estado mais violento contra LGBTs no Brasil. Em 2017 o estado sofreu aumento de 85% nos casos de HIV/AIDS entre jovens. Há uma necessidade de se consolidar Políticas Públicas efetivas para redução de danos à comunidade LGBT+. Acreditamos que a Cultura tem sua responsabilidade com estas questões”, afirma Trindade.

A atividade é uma realização do Coletivo Difusão e Centro Popular do Audiovisual em parceria com a Casa de Acolhimento LGBT+, Manifesta LGBT+, Vlogay, Naty Veiga, Bloco Tá Boa Bonita, Coletivo O Gênero, Projeto Triplicart, Coletivo Rosa Zumbi, Rede de Negras e Negros LGBT Amazonas, Comissão de Diversidade da OAB, Gerência de Atendimento Educacional à Diversidade – GAED/DEPPE/SEDUC, Gerência de Diversidade e Gênero – GDG/DPDD/SEJUSC.

Políticas culturais LGBT
A Relatoria Final do Comitê Técnico de Cultura LGBT  do Ministério da Cultura, publicada em 2015, observa a necessidade da criação de um mapeamento da cultura LGBT no país. O documento também elenca a necessidade de se realizar um inventário nacional com artistas, pesquisadores, entidades, grupos, espaços/territórios de sociabilidade e organizações que trabalham com temas relacionados e transversais à cultura LGBT, bem como instituições públicas e privadas.

Para organizadores, diagnóstico da Cultura LGBT+ contribuirá na busca de uma política de cultura de paz e na construção de valores que visam a promoção da diversidade humana. Foto: Coletivo Difusão/Divulgação

Visa-se com isso, garantir a presença e fortalecimento do tema Cultura LGBT em sua transversalidade nos planos e ações de governo como, por exemplo, nas linguagens e expressões ligadas ao sistema MINC e na promoção da intersetorialidade de temáticas como gênero e raça-cor e etnia. Ressalta-se, também, a importância de diálogo entre outros setores como Educação, Comunicação, Turismo, Saúde, entre outros.

Durante a 3ª Conferência Nacional de Políticas Públicas de Direitos Humanos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, realizada em Brasília, em 2016, a pauta da Cultura esteve presente no eixo Educação, Cultura e Comunicação em Direitos Humanos. A cultura é compreendida como uma potência simbólica com estímulos de habilidades de criação e transformação de valores, costumes, práticas, pensamentos, concepções, consciências, subjetividades e relações humanas. Essa visão pode auxiliar a gestão pública governamental na busca em aprimorar as suas políticas públicas, focando em segmentos específicos da sociedade.

Plano Municipal de Cultura
Publicado em dezembro de 2014, o Plano Municipal de Cultura de Manaus 2013-2023 é um acúmulo construído pela sociedade civil e gestores públicos por meio de Fóruns Setoriais e Conferências Municipais de Cultura realizadas nos anos 2005 e 2010. O Plano serve de ferramenta para gestão e planejamento de estratégias que visam a organização, regulamentação e execução de Políticas Culturais a curto, médio e longo prazo. Possui três dimensões sobre cultura: a simbólica, a econômica e a cidadã, destacando principalmente que todos têm direito a Cultura e é dever do Estado executar tais ações e diretrizes.

Sobre os idealizadores
O Coletivo Difusão é uma organização cultural coletiva que visa a Arte para fomentar a Cultura desde 2006. Tem a missão de produzir e difundir manifestações artístico-culturais e midiáticas, priorizando a valorização da identidade brasileira, assim como a revalorização do espaço urbano e a conscientização ambiental. As atividades propostas têm como foco contribuir de forma significativa com a sociedade no que tange à reflexão, à produção e à disseminação da cultura.

O Centro Popular do Audiovisual foi criado em 2016, a partir de uma construção e amadurecimento de oito anos, visando criar um ambiente voltado para a formação de profissionais da cadeia de produção do audiovisual, envolvendo principalmente as comunidades tradicionais e a juventude da periferia de Manaus. O Centro possui sede em Manaus e tem realizado ações pelo Amazonas.

Paulo Trindade é manauara, homossexual, artista, articulador de redes e ativista dos direitos humanos. Atua nos setores da Educação, Artes, Políticas Públicas, Produção Cultural, Mídia e Direitos Humanos, nos quais desenvolve projetos socioculturais e ambientais desde 2005. Graduou-se em Licenciatura em Artes Plásticas pela Universidade Federal do Amazonas (2009). É também formado pelo Programa de Capacitação em Projetos Culturais – MinC/Sefic/SPC/Sesi/Itaú Cultural/Fundação Getúlio Vargas (2012); Gestão e Políticas Culturais – Observatório Itaú Cultural (2017).

É fundador e integrante do Coletivo Difusão e do Centro Popular do Audiovisual. Participa do Comitê Estadual de Enfrentamento a LGBTfobia no Amazonas, da Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), e do Comitê Organizador da Parada do Orgulho LGBT de Manaus. Compõe o Conselho Municipal de Cultura de Manaus, sendo suplente da cadeira de Artes Visuais na gestão 2017-2019.

Dados de diagnóstico podem levar ao alcance de Políticas Públicas e à valorização das atividades artísticas produzidas pela comunidade LGBT+ em Manaus. Foto: Coletivo Difusão/Divulgação

Serviço: Diálogos Culturais – Diagnóstico da Cultura LGBT+ em Manaus
Local: Centro Cultural Palácio Rio Negro, avenida Sete de Setembro, 1.546, Centro
Data/hora: Terça-feira, dia 5 de dezembro, das 19h às 21h
Entrada: Gratuita