Experiência musical única marca concerto da Orquestra de Câmara do Amazonas em Belém (PA)

Publicado em: segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Apresentação da orquestra amazonense aconteceu no domingo (12/11), na Igreja de Santo Alexandre, na capital paraense, dentro da agenda do 7º Festival Música na Estrada

Concerto da OCA aconteceu na Igreja de Santo Alexandre, na Cidade Velha, bairro histórico da capital paraense. Foto: Paula Chaves/Divulgação
Violinista Elena Koynova em solo na versão das "Quatro Estações" de Max Richter. Foto: Paula Chaves/Divulgação
Espetáculo fez parte da agenda do Festival Música na Estrada, hoje em sua sétima edição. Foto: Paula Chaves/Divulgação
Titular da OCA, Marcelo de Jesus (no centro) definiu concerto como "experiência musical muito rica". Foto: Paula Chaves/Divulgação

Jony Clay Borges

A Orquestra de Câmara do Amazonas (OCA) protagonizou uma experiência musical única em sua apresentação em Belém (PA), no último domingo (12/11), dentro da agenda do 7º Festival Música na Estrada. Em concerto realizado na Igreja de Santo Alexandre, os músicos da orquestra amazonense apresentaram um repertório misto de música sacra e contemporânea, com releituras de obras famosas de Mozart e Vivaldi, em peças executadas pela primeira vez na capital paraense.

Em seu programa, a OCA reuniu releituras de dois clássicos do repertório erudito: o “Requiem” de W.A. Mozart (1756-1791), na versão para cordas escrita pelo eslovaco Peter Lichtenthal (1780-1853), e “As Quatro Estações” de Antonio Vivaldi (1678-1741), recompostas pelo músico contemporâneo alemão Max Richter.

À frente do concerto, o regente titular da orquestra, Marcelo de Jesus, definiu o espetáculo como “uma experiência musical muito rica e interessante”. “A acústica da igreja foi perfeita para este concerto. O público manifestou entusiasmo com o ineditismo das obras, que fiz questão de ressaltar serem duas estreias em Belém”, afirmou ele.

Repertório
O concerto marcou a primeira aposta da OCA num repertório diferenciado para uma apresentação fora de Manaus. “Não tenho dúvidas que o repertório ‘alternativo’ se torna cada vez mais acessível a todo tipo de público. A reação foi de completa imersão nestas duas obras, que levam do intimismo sacro ao lounge transcendental”, comenta ele. “Isto é o que mais nos motiva a continuarmos a nossa pesquisa de novos repertórios”.

Com a apresentação, a OCA soma mais uma viagem realizada pelo Música na Estrada, do qual participa desde 2012. De Jesus destaca a nova oportunidade de levar o talento dos músicos do Amazonas a outros cenários: “Mais uma vez pudemos levar o nome do Estado ao resto do País, e mostrar um pouco do trabalho desenvolvido pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC)”.

Outro dos Corpos Artísticos da SEC que participa da atual edição do Música na Estrada é o Coral do Amazonas. O conjunto vocal amazonense tem duas apresentações agendadas em Santarém (PA), nos dias 25 e 26 de novembro.

A orquestra 
Completando 15 anos em 2017, a Orquestra de Câmara do Amazonas (OCA) foi criada com a proposta de pesquisar e difundir a música de câmara, contribuindo para o desenvolvimento musical do Amazonas, sendo hoje considerada uma das mais atuantes formações de câmara do Brasil. A orquestra é integrante dos Corpos Estáveis da Secretaria de Cultura do Amazonas.

A orquestra amazonense tem como destaques de seu repertório a integral da música de câmara de Claudio Santoro, além de diversas estreias nacionais e internacionais, incluindo diversas peças escritas sob encomenda para a OCA, entre elas “O Encontro das Águas”, de Edmundo Villani-Côrtes; “Sinfonia nº 2 – Paisagens verdes”, de Harry Crowl; e “Shostakovichiana”, de André Mehmari.

A OCA vem participando das turnês do Festival Música na Estrada desde 2012, quando os músicos da orquestra amazonense se apresentaram num concerto em Porto Velho. Desde lá, nas edições subsequentes do projeto cultural, o conjunto teve a oportunidade de circular por todos os Estados do Norte.

O Festival
Desde 2011, o Música na Estrada realiza programações gratuitas de arte e cultura nos Estados do Norte do Brasil, promovendo acessibilidade, formação de plateia e aprimoramento musical através do intercâmbio e da valorização de conteúdos artísticos de várias regiões do País. Em sua sétima edição, o projeto cultural passa por Belém, Manaus, Santarém (PA), Porto Velho e, no ano que vem, por Boa Vista e Macapá.

O Festival é uma realização do Governo Federal, por meio do Ministério da Cultura através da Lei Rouanet, com correalização da Kommitment Produções Artísticas e da Secretaria de Cultura do Amazonas (SEC). O Festival é apresentado pela Caixa Seguradora, conta com patrocínio máster do BNDES e patrocínio da instituição de ensino superior Estácio.