Exposição comemorativa no Palacete Provincial oferece serviços acessíveis para deficientes visuais

Publicado em: quinta-feira, 3 de agosto de 2017

“Pinacoteca 50 Anos – Diálogos de Gerações”, a ser inaugurada nesta sexta-feira (4), será a primeira a contar com catálogos e etiquetas em braille, além de recursos de audiodescrição.

A limitação de um ou mais sentidos não deve limitar a apreciação da arte. Partindo dessa ideia, a exposição “Pinacoteca 50 Anos – Diálogos de Gerações”, que inaugura nesta sexta-feira (4), às 19h, na Galeria Manoel Santiago do Palacete Provincial do Amazonas, no Centro, será a primeira a oferecer serviços acessíveis com a identificação de obras de arte em braille para os visitantes com deficiência visual.

A mostra comemorativa, promovida pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, com apoio da Agência Amazonense de Desenvolvimento Cultural (AADC), abrange diferentes estilos e vertentes das Artes Visuais no Amazonas, reunindo 74 obras de 28 artistas, doadas à Pinacoteca do Estado por ocasião do cinquentenário da instituição, em 2015.

Os serviços acessíveis oferecidos na exposição incluem a impressão em tinta e em braille no catálogo e nas etiquetas de identificação de cada obra, permitindo a leitura tátil por pessoas com deficiência visual.

A mostra oferece também audiodescrição com o uso de canetas pen top: por meio de fones de ouvido acoplados ao equipamento e com o auxílio de guias, os visitantes poderão ouvir descrições de cada uma das peças em exibição enquanto passeiam pela galeria.

Mostra comemorativa – “Pinacoteca 50 Anos – Diálogos de Gerações” reúne pinturas, desenhos, esculturas e peças em técnicas mistas, produzidas por Amanda Navarro, Chiquinho D’Almeida, Cristóvão Coutinho, Edgar Alecrim, Eliomar Rodrigues, Evanil Maciel, Fernando Jr., Ignácio Evangelista, Iva Tai, Jair Jacqmont, Jandr Reis, Jesús Portillo, Lígia Barros, Lorena Souza, Lula Sampaio, MAAM, Márcio Matias, Marcos Adolfs, Mario de Paula, Michelle Lins, Nelson Falcão, Noleto, Rodney Marques, Samantha Karlia, Sebastião Alves, Sergio Cardoso, Turenko Beça e Zeca Nazaré. Todas as obras foram doadas à Pinacoteca por ocasião dos 50 anos da instituição, completados em 2015.

A seleção de artistas e obras na mostra no Palacete Provincial compõe um importante panorama da produção artística no Amazonas, segundo o secretário de Cultura, Robério Braga. “Colocando lado a lado artistas de variadas progenituras, de Jair Jacqmont a Turenko Beça, de Jandr Reis a Iva Tai, a exposição vai permitir ao público seguir o trajeto da arte amazonense nas últimas décadas”, declara.

Responsável pela curadoria da mostra, Cléia Viana assinala que, entre diferentes gerações de artistas, há um diálogo “muitas vezes silencioso, mas que expressa uma comunicação dinâmica, renovadora”. Nesse sentido, ela explica, a exposição aponta a “expressiva capacidade que cada artista tem em se reinventar e as possibilidades em se relacionar uns com os outros, com o cotidiano e com a vida, descrevendo as mudanças temporais através da profusão dos diferentes estilos”.

Produção artística – A exposição “Pinacoteca 50 Anos – Diálogos de Gerações” reúne uma ampla diversidade de temas, estilos e técnicas em seu acervo. Aí se incluem desde a pintura tradicional, da qual são exemplos “Modelo vivo”, de Samantha Karlia, e “Grafite amazônico nº 2”, de Jandr Reis, até as pinturas digitais de Fernando Jr., entre elas “Academia de Letras”, passando pelas composições digitais da série “Indi Pop Pocket”, de Cristóvão Coutinho. A mostra traz ainda peças com materiais diferenciados, caso da “Máscara” de Turenko Beça, produzida em técnica mista com couro de peixe.

A exposição reúne criações de diferentes épocas, com destaque para a obra de Jair Jacqmont, que pode ser acompanhada em diferentes momentos, desde a “Chuva no Rio Amazonas”, de 1980, até uma série multicolorida de telas reproduzindo a cúpula do Teatro Amazonas, de 2014. Telas de Jair dos anos 1990 também integram o acervo da mostra, a exemplo de “Homem com planta” (1993) e “Três banhistas” (1999).

Das gerações mais atuais do circuito amazonense de artes, a mostra inclui obras de nomes como Iva Tai, artista visual parintinense que aparece com as telas “Eu SER Água” e “Araruama”. Outro é Nelson Falcão, natural de Manaus, incluído na exibição com a tela em técnica mista “Eudaemon”.

A exposição “Pinacoteca 50 Anos – Diálogos de Gerações” ficará em cartaz até o dia 30 de dezembro de 2017, com visitação gratuita de terça a sábado, das 9h às 14h.

Novo espaço – A exposição “Pinacoteca 50 Anos – Diálogos de Gerações” marca a inauguração de um novo espaço de exibições no Palacete Provincial do Amazonas: a Galeria Manoel Santiago. Localizada no piso superior do edifício, a sala presta tributo ao artista, desenhista e professor amazonense Manoel Santiago (1897-1987).

Nascido em Manaus, Santiago viveu parte da infância num confortável casarão no bairro da Cachoeirinha. Aos 6 anos, mudou-se com a família para Belém, onde começou seus estudos de desenho e pintura. Aos 22 anos, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde cursou a faculdade de Direito e, ao mesmo tempo, estudou na Escola Nacional de Belas Artes, tendo mestres como Baptista da Costa e Rodolfo Chambelland. Ali conheceu ainda aquela que seria sua esposa, a pintora Haydéa Santiago.

De 1927 a 1932, morou em Paris, na França, graças a prêmio recebido no Salão Nacional de Belas Artes. De volta ao Brasil, tornou-se professor no Instituto de Belas Artes do Rio de Janeiro. Participou de mostras e exposições de arte nos principais salões de arte no Brasil, e também no exterior. Suas obras integram coleções de diversos museus e importantes coleções particulares nacionais e estrangeiras.

Santiago é considerado um dos mais notáveis pintores impressionistas de sua geração. Faleceu em 29 de outubro de 1987, no Rio de Janeiro.

Sobre a Pinacoteca do Amazonas – Reúne mais de 2,2 mil peças de técnicas variadas, abrangendo a produção artística brasileira entre os séculos XIX e XX, em criações de mais de 350 artistas, com ênfase especial nos artistas amazonenses. Promove exposições permanentes e temporárias e organiza eventos culturais diversos.

Instituída oficialmente em 1965, pelo governador Arthur Cézar Ferreira Reis, a Pinacoteca passou por vários espaços, como a Biblioteca Pública, o Centro Cultural Usina Chaminé e o Centro Cultural Palácio Rio Negro. Em 2009, passou a funcionar no Palacete Provincial do Amazonas, mantido pela Secretaria de Cultura, na Praça Heliodoro Balbi, S/Nº, Centro.