PCI

Histórico

A implantação da Assessoria de Patrimônio Cultural Imaterial objetiva especialmente o cuidado com os bens de natureza imaterial. Estes são complexos, pois tratam de bens intangíveis, abstratos como as formas de expressão, os modos de criar os saberes e o fazer da população, que se classificam como cultura tradicional, popular e oral.

No Brasil, o reconhecimento das expressões populares data dos anos 30, cujo mentor Mário de Andrade, intelectual e modernista, propôs a preservação de processos culturais e de saberes, conceitos que somente mais tarde seriam classificados como patrimônio imaterial.

O patrimônio imaterial está expresso nos artigos 215 e 216 da Constituição Federal de 1988: “Constituem o patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação e à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira”. Entretanto, somente em 2000 foi instituído um instrumento legal para a preservação desse patrimônio, o Registro de bens culturais de natureza imaterial e criou-se também o Programa do Patrimônio Imaterial por meio do Decreto Federal nº 3.551.

O Patrimônio Cultural Imaterial ressalta a importância que tem os processos de criação e manutenção do conhecimento sobre o produto a ser protegido como: as práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas, junto com instrumentos, objetos e técnicas e lugares que lhes são associados, e está diretamente relacionado com o conhecimento, com o processo de criação, e não com o produto resultante desse conhecimento, muito embora seja este indubitável. Segundo a UNESCO, “é amplamente reconhecida à importância de promover e proteger a memória e as manifestações culturais representada em todo o mundo, por monumentos, sítios históricos e paisagens culturais.

Mas não só de aspecto físicos que se constitui a cultura de um povo. Há muito mais contido nas tradições, no folclore, nos saberes, nas línguas nas festas e em diversos outros aspectos e manifestações, transmitidos oral ou gestualmente, recriados coletivamente e modificados ao longo do tempo. A essa proporção intangível da herança cultural dos povos, dá-se o nome de patrimônio cultural imaterial”.

No Amazonas, o Governo do Estado, através da Secretaria de Cultura ,vem trabalhando nesse sentido planejando e executando as políticas de pesquisa, inventário, mapeamento, registro e salvaguarda dos bens culturais de natureza imaterial.

Atividades Desenvolvidas  

Desenvolve estudos, edital e projetos nas áreas de cultura popular e indígena, caracterizando a vivência cultural de uma comunidade:

Resgate de brinquedos tradicionais urbanos: boneca de pano (bruxa), pião, perna de pau e o jogo de botão de caroço de tucumã utilizado no Largo de São Sebastião.

Estudos sobre a utilização cultural e social do tucumã

Estudos sobre os Símbolos do Amazonas

Edital de pesquisa sobre santos e crendices no Amazonas

Pesquisa “Memória do Largo de São Sebastião”

Coleção de postais da série “Patrimônio Cultural Imaterial”

Coleção de postais da série: “Memória do Amazonas”

Coordena o projeto “Mapa das Artes”

Promove ações de mapeamento dos bens culturais do Estado

Promove o registro da cultura do Boi Bumbá de Parintins como patrimônio cultural brasileiro.

Projetos de salvaguarda das expressões tradicionais: boi tradicional de Manaus, Gambá de Maués.

Produz documentários que expressam a riqueza e a diversidade cultural do Estado: Medicina Tradicional Saterê; Imigração japonesa no Amazonas e rituais Tukano.

Coordena a implantação dos Pontos de Cultura no Estado.

Promove seminários acadêmicos e fóruns de discussão sobre as temáticas das culturas populares e indígenas.

Divulga no Brasil e exterior as manifestações culturais tradicionais do Amazonas.

Promove a valorização dos mestres e saberes locais.

Dá suporte as políticas estatais voltadas as culturas tradicionais.

Competências 

I – Promover ações para conhecimentos e valorização do patrimônio imaterial;

II – Propor e promover estudos de mapeamento e inventário do patrimônio cultural imaterial do Estado;

III – Desenvolver atividades que visem salvaguardar e divulgar o patrimônio imaterial;

IV – Realizar pesquisas para cadastramento de patrimônio imaterial;

V – Realizar estudos específicos visando o reconhecimento e o registro do patrimônio imaterial;

VI – Realizar projetos com vistas à valorização da cultura tradicional popular (índios, negros e caboclos);

VII – Estimular ações junto a grupos ou comunidade, valorizando as identidades culturais;

VIII – Manter relações interinstitucionais e articulação com organizações privadas e não governamentais com vistas a realização de projetos intersetoriais;

IX – Propor projetos que promovam a cidadania cultura;

X – Executar outras atividades que lhe forem determinadas na sua área de competência.

Endereço 

Av. Sete de Setembro, 1546 – Vila Ninita (Anexo ao Centro Cultural Palácio Rio Negro) – Centro – Cep: 69.005-141 – Manaus/AM – Brasil.

Contato

Telefone:(92) 3232-5858

E-mail: imaterial2@culturamazonas.am.gov.br e imaterial2@culturamazonas.am.gov.br

Horário de funcionamento

De segunda a sexta, das 8h às 17h

Localização