Representantes das agremiações folclóricas definem últimos ajustes para a 60ª edição do Festival Folclórico do Amazonas

Publicado em: quarta-feira, 12 de julho de 2017

Com a sinalização do Governo do Amazonas em realizar o repasse de R$ 1 milhão para a realização do evento deste ano, os representantes das agremiações folclóricas estiveram reunidos com o secretário de Cultura, Robério Braga, para definir detalhes para a realização do Festival.


Fotos: Ingrid Anne

Foi com uma perspectiva otimista que os representantes das agremiações folclóricas do Amazonas finalizaram a reunião sobre o repasse de verba anunciado pelo Governador do Amazonas, David Almeida, além de outras pendências para a realização do 60º Festival Folclórico do Amazonas, na manhã desta terça-feira (11), na sede da Secretaria de Estado de Cultura, com o responsável pela pasta, Robério Braga.

Durante a reunião, Robério Braga propôs a realização do evento no Anfiteatro da Ponta Negra, para aproveitamento da infraestrutura local, com vistas a gerar mais economia na realização do evento. “Se o festival deste ano acontecer na Arena do Centro Cultural dos Povos da Amazônia, ainda que num formato reduzido, precisaremos montar uma estrutura mínima, com um gasto de cerca de R$ 274 mil. Esse valor envolve gastos com comunicação visual, locutor, palco, carcas, banheiros químicos, radiocomunicador, equipe de manutenção hidráulica, cachê de jurados, lanches das equipes de trabalhadores, transporte, dentre outros”, explica.

A mudança do evento para a Ponta Negra, de acordo com Braga, traz uma série de benefícios diretos para a realização do evento, pois o local já possui um público fiel que o frequenta e apresenta uma infraestrutura montada, gerando economia na montagem de uma nova na Arena os Povos da Amazônia. “Tudo está sendo feito com muita boa vontade, e o Governo do Amazonas está ciente de todo o contexto político e econômico pelo qual o Estado está passando”, completa o secretário.

A Secretaria informou que irá lançar o edital para credenciamento das agremiações e ainda divulgou a lista dos das 27 inadimplentes, que possuem pendências desde o ano de 2014, algumas com prestações de contas pendentes ou não realizadas. O valor disponibilizado só será liberado para os 72 grupos folclóricos da categoria Ouro e Bois Bumbás, estes últimos distribuídos entre as categorias Master A, Master B, Regional e Tradicional, e com acesso e decesso. O credenciamento só ocorre após emissão de Nota Técnica por parte da Secretaria de Estado de Cultura.

“A proposta que o Governador nos fez é plausível. É aquilo que é possível fazer no momento, pois ele sabe da importância do evento para a cultura local. Como filho da Zona Sul, é sensível à nossa causa. Sabemos que estamos em época de ‘vacas magras’ e por isso vamos reduzir a estrutura do evento de um modo geral, como alegorias e brincantes, para cabermos dentro do orçamento. E a Secretaria continua com o seu papel de fomentar a cultura, desta vez buscando parceria com a Prefeitura. Não vamos deixar passar em branco”, declarou José de Arimatéia Lopes, representante do Cacetinho Waimiri Atroari.